Sem selecionáveis, Santos é previsível e preocupa para a sequência; análise

Ricardo Oliveira e Lucas Lima desfalcam Peixe contra reservas do Atlético-MG. Time vai mal, perde e preocupa, já que dupla e Gabriel ficarão fora durante Copa América

Por DaCidade 15/05/2016 - 13:41 hs
Foto: Ivan Storti / Santos FC
Sem selecionáveis, Santos é previsível e preocupa para a sequência; análise
Dorival Júnior pede para que reforços estejam à disposição nos próximos dias

 Santos foi campeão paulista há uma semana. Parece mais. O time que estreou no Brasileirão neste sábado, diante dos reservas do Atlético-MG, em Belo Horizonte, não foi nem sombra da equipe sólida na marcação e muito rápida no contra-ataque que venceu o Audax, por 1 a 0, na Vila Belmiro, e conquistou seu 22º estadual. 

No Independência, o Santos teve a bola, mas não soube o que fazer com ela. Terminou a partida com 63% da posse, contra 37% do adversário. O Atlético, porém, foi muito mais incisivo: finalizou 21 vezes, criou 5 chances reais de gol e venceu por 1 a 0 . O Peixe passou o jogo inteiro tocando a bola de um lado para o outro, fazendo um jogo chato, previsível. Finalizou 11 vezes. Nenhuma delas assustou o goleiro Uilson. 

VEJA AS NOTAS DOS JOGADORES DO SANTOS

O gol mostra o oportunismo da equipe mineira. Pressionando e provocando o erro da defesa santista, o Galo abriu o placar com Cazares, que aproveitou cochilo da defesa santista.

O Santos sentiu a falta de alguém para pensar no meio-campo. Sem Lucas Lima, machucado, a equipe se perdeu em passes sem sentido e absoluta previsibilidade. Ronaldo Mendes, substituto do principal meia santista, teve dificuldade para escapar da marcação e, quando teve condições de dar sequência às jogadas, errou passes. A marcação do Atlético agradeceu. 

Quando a bola chegou ao ataque, o Peixe sofreu com a ineficiência de seus atacantes. Sem poder contar com Ricardo Oliveira e seu reserva, Joel, ambos sem condições físicas, o técnico Dorival Júnior escalou Paulinho ao lado de Gabriel, mas eles não se entenderam. 

No segundo tempo, Dorival tirou Ronaldo Mendes e Paulinho, para as entradas do novato Matheus Nolasco e Serginho, meia que entrou mais adiantado, tentando fazer as vezes de camisa 9. Ficou só na tentativa. O time seguia com a bola, tentava envolver o Atlético, mas carecia de qualidade no passe. Tirando um chute de Gabriel logo após o apito de reinício, o Peixe pouco fez.

Para piorar, o time vacilava na defesa, assim como no primeiro tempo. No lance abaixo, veja o cochilo da equipe, que quase resultou em gol do adversário.

Aos poucos, o Santos adiantou a marcação e começou a roubar a bola do Atlético mais perto da meta, mas, assim como no primeiro tempo, falhava demais no passe decisivo. Renato saiu para entrada de Maxi Rolón. O argentino entrou para tentar intensificar a presença ofensiva da equipe, mas não conseguiu. O time da Vila seguia girando a bola sem conseguir furar a marcação do Galo, que foi exemplar. No vídeo abaixo, o Peixe passa pouco mais de um minuto tentando em vão ultrapassar as linhas defensivas do adversário.

Terminado o jogo ficou a sensação de que o Peixe sofrerá muito no Brasileirão quando não tiver seus principais jogadores. Sem Lucas Lima e Ricardo Oliveira, a equipe se torna previsível, perde em velocidade e capacidade de finalização. E os dois ficarão fora da equipe durante a Copa América, pois estão convocados – desfalcarão o Santos entre a terceira e a 11ª rodadas. Pior: Gabriel, além de disputar a Copa América, também estará na seleção olímpica, que disputará os Jogos do Rio, em agosto.