Botucatu: Estudo prevê novo método para diagnóstico da Osteoporose

Projeto desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Botucatu teve início no ano de 2013 e está em fase de conclusão.

Por Redação 02/05/2017 - 10:46 hs
Foto: Divulgação
Botucatu: Estudo prevê novo método para diagnóstico da Osteoporose
FOTO ILUSTRATIVA
Um estudo desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) permitiu a descoberta de uma nova técnica de diagnóstico da osteoporose, doença caracterizada pela diminuição progressiva da densidade óssea e aumento do risco de fraturas. O projeto teve início no ano de 2013 e está em fase de conclusão.

O novo método é capaz de reduzir custos para o Sistema Único de Saúde (SUS), diminuir a fila de espera para realização do exame que identifica a osteoporose e prever possíveis fraturas em idosos, população acometida pela doença.

O diagnóstico da osteoporose é feito por um exame chamado densitometria óssea. "O paciente é posicionado no aparelho para medição da massa óssea em duas regiões com maior incidência de fratura: o quadril e a coluna", explica o professor da FMB e um dos responsáveis pelo desenvolvimento da técnica, Dr. Evandro Palacio. "A partir do exame podemos realizar uma estimativa para saber quais as chances de o paciente sofrer uma fratura", complementa.


Segundo dados de 2016 do DATASUS, a fila de espera para se realizar o procedimento (densitometria óssea) no Departamento Regional de Saúde em que Botucatu está inserido (DRS VI – Bauru) é de dois anos e sete meses. O valor do exame é de R$ 400,00.


A descoberta

A nova técnica de diagnóstico da osteoporose é fruto do trabalho de pós-doutorado do professor Evandro Palacio e tem supervisão da professora Érika Veruska Paiva Ortolan, ambos do Departamento de Cirurgia e Ortopedia da FMB. "Nosso maior desafio era justamente encontrar uma maneira mais fácil, mais barata e mais rápida de se realizar o diagnóstico da osteoporose e, consequentemente, diminuir os custos decorrentes das fraturas por ela causadas. Este é o objetivo do estudo", frisa a professora Érika V. P. Ortolan.

A pesquisa já conta com 493 participantes, mulheres acima de 60 anos, que nunca se submeteram a qualquer tratamento para osteoporose e sem história de fraturas prévias. "Primeiramente, as participantes foram submetidas ao exame de densitometria, que serviram como controles; em seguida, elas realizaram uma radiografia simples do quadril, por meio das quais aplicamos algumas fórmulas matemáticas", lembra o docente. "A partir de então, pudemos comparar os resultados dos dois exames e buscar uma possível ligação entre eles. Ficamos muito animados quando observamos que existia uma forte correlação entre os exames, ou seja, por meio de uma simples radiografia conseguimos apontar a presença ou não de osteoporose nas participantes", explica professor Evandro.

Um dos aspectos diferenciais do estudo é que enfermeiros, auxiliares de enfermagem, agentes comunitários de saúde, estudantes e profissionais da área da saúde poderão utilizar este novo método para diagnosticar a osteoporose, não sendo necessário que os pacientes sejam consultados por um médico especialista da área. "Pacientes que vivem nas mais remotas regiões do país, na Amazônia, por exemplo, poderão saber se sofrem ou não de osteoporose, livrando-se de fraturas, sem terem que se deslocar para os grandes centros urbanos", complementa professora Érika.

"O diagnóstico inicial da doença será feito por uma simples radiografia, sem que o SUS tenha que gastar R$ 400,00 (valor aproximado da densitometria óssea). Uma radiografia simples do quadril custa, aproximadamente, R$ 50,00", destaca professor Evandro.

Sobre a Osteoporose

Não é um problema que atinge somente as mulheres. Ela afeta também os homens. É uma doença que se origina de forma silenciosa. Quando os primeiros sinais aparecem, a doença já está em fase avançada, causando fraturas espontâneas dos ossos acometidos, que acabam por não suportar traumas mínimos ou esforços, por menores que sejam.
As lesões mais comuns são as fraturas das vértebras por compressão, que levam a problemas de coluna, como as corcundas características dos idosos, e à diminuição da estatura, além das fraturas do colo do fêmur, punho e costelas. Nas fases em que se manifesta, a dor está diretamente associada ao local em que ocorreu a fratura ou o desgaste ósseo.

Abandonar hábitos prejudiciais, como o fumo e o álcool, caminhar, andar de bicicleta, nadar, correr e, especialmente, exercícios com pesos são fundamentais para manter o tônus muscular e prevenir a doença.