Movimento intersindical de Bauru repudia as reformas da Previdência e Trabalhista e a lei da Terceirização

No dia 28 de abril, Dia Nacional de Lutas, haverá paralisações, manifestações, atos e protestos em locais de grande concentração de pessoas.

Por Redação 17/04/2017 - 15:35 hs
Foto: Divulgação

Cerca de 30 sindicatos e entidades de Bauru e da região estão unidos em uma série de atividades contra as propostas das reformas da Previdência e Trabalhista e a contra a terceirização já aprovada pelo governo federal e que vão retirar direitos duramente conquistados pelos trabalhadores. O objetivo é conscientizar sobre a gravidade das reformas e chamar a classe trabalhadora a cruzar os braços no dia 28 de abril, Dia Nacional de Lutas, para pressionar os políticos.

Para isso, serão realizadas audiência pública sobre reformas da Previdência e Trabalhista e a Lei da Terceirização nesta quarta-feira (19/04) a partir das 15h na Câmara Municipal de Bauru; aula pública sobre a Previdência neste sábado (22/04) na Praça Rui Barbosa e panfletagem em locais de grande concentração de pessoas nos dias 25 e 26 de abril.

A mensagem principal do material preparado pelas centrais sindicais e que já começa a ser distribuído à população é “Se o trabalhador não lutar, vai morrer trabalhando. Ou vai trabalhar até morrer”. No dia 28 de abril, Dia Nacional de Lutas, em Bauru haverá paralisações, manifestações, atos e protestos em locais de grande concentração de pessoas.

O calendário de atividades foi definido em reunião realizada hoje (17/04) entre representantes das cerca de 30 entidades, entre sindicatos e associações, na sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas de Bauru e Região (Sindquimbru). Além da série de atividades públicas, cada sindicato está mobilizando sua categoria para a luta. O Sindquimbru, por exemplo, começou nesta segunda-feira a distribuir panfletos sobre o 28 de abril aos trabalhadores do setor nas portas das empresas.

O Dia Nacional de Lutas é um movimento nacional intersindical com a participação de sindicatos filiados à Força Sindical, Central Única dos Trabalhadores (CUT), Conlutas, Confederação dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB). De Bauru, participam os sindicatos dos Químicos, Ferroviários, Comerciários, Gráficos, Alimentação, Hoteleiros, Construção Civil, Cozinhas Industriais, Condutores, Bancários, Sintunesp, Apeoesp, Jornalistas, Sinfuspesp, Afuse, Sindiluz e Sinergia. De Jaú, os sindicatos dos Papeleiros, Gráficos, Calçadistas e Sinprafarma; de Pederneiras, do Sindicato dos Metalúrgicos; de Ipaussu, do Sindicato dos Químicos; de Macatuba, do Sindicato da Alimentação; de Lençóis Paulista, do Sindicato dos Papeleiros; de Duartina, do Sindicato da Construção Civil; de Botucatu, da Construção Civil; e de São José do Rio Preto, do Sindicato dos Condutores.