Empreendedorismo: Morador de Botucatu dá lição de amor e dedicação ao trabalho

Luís Pedro da Silva transformou uma pequena banca de jornal em um sonho de sucesso na cidade.

Por Maysa Santos 05/04/2017 - 14:51 hs
Foto: Maysa Santos
Empreendedorismo: Morador de Botucatu dá lição de amor e dedicação ao trabalho
O mais interessante é que os produtos estão expostos com o mesmo design da banca antiga.

A história de Luís Pedro da Silva, de 57 anos, natural de Campinas, começou a 14 anos atrás, quando ele mudou-se para Botucatu e decidiu comprar uma pequena banca de jornal que estava à venda na Avenida Vital Brazil, ao lado do restaurante Mc Donald’s. Segundo o comerciante, a banca era muito pequena, media apenas 2 x 4 metros. A princípio, o intuito era que o negócio ficasse para a esposa de Luís, pois ela desejava trabalhar como autônoma e ter dinheiro para suas despesas pessoais.

Luís conta que a antiga proprietária da banca decidiu vendê-la, pois o supermercado Pão de Açúcar passou a vender revistas e, de acordo com ela, estava roubando sua freguesia. “Sabe aquelas pessoas que desistem fácil?”, ressalta. O comerciante fechou o negócio e, após três meses inativa, a banca passou a ser dele e da esposa. Depois de um ano e meio de funcionamento, as vendas começaram a crescer e a demanda por um lugar maior também surgiu.

Na mesma época, Luís perdeu seu emprego em um estabelecimento comercial da cidade. Com o dinheiro que recebeu, ampliou a banca para 7 x 4 metros. Os clientes ficaram felizes com a mudança, segundo ele. No entanto, passados dois anos, o espaço começou a ficar pequeno novamente. Foi quando o comerciante aumentou o local para 7 x 6 metros. De acordo com ele, o trabalho nunca parou. Luís e a esposa dividiam os turnos para manter a banca aberta das 7h30min às 22 horas todos os dias.

Entretanto, a estrutura da banca era extremamente quente e o sol durante o dia deixava o interior dela parecendo uma “estufa”. Luís conta, também, que teve problemas diversas vezes com arrombamentos. Então, decidiu revesti-la com eucalipto tratado, o que ajudou, mas não solucionou o problema do calor. A partir desse momento, o comerciante começou a guardar dinheiro para mais pra frente realizar o sonho de construir um estabelecimento de alvenaria no mesmo local.

Em 2016, a esposa e companheira de Luís, faleceu. Além de mulher, era ela quem o ajudava a tocar o trabalho na banca. Com lágrimas nos olhos, o comerciante conta que chamou o filho João Pedro da Silva, hoje com 23 anos, para conversar. Era hora de unirem forças para tocar a banca juntos. E foi nesse momento que o sonho de construir um estabelecimento físico começou a se tornar realidade. A família conseguiu autorização da igreja responsável pelo terreno e então iniciaram as obras.

Atualmente, a banca não é mais de metal e naquele formato tradicional. Está localizada no mesmo endereço, mas em um espaço físico de alvenaria. O mais interessante é que o formato foi mantido. Do lado de dentro, os produtos estão expostos com o mesmo design da banca antiga, fazendo com que a história das bancas de jornais não se perca, mesmo quando atualizadas e modernizadas. 

“Quando nós compramos a banca, ela estava no 40º lugar do ranking da distribuidora. Hoje estamos em 2º. Nossos clientes adoraram a evolução e o novo comércio. Eu prezo muito pela qualidade do serviço e pelo bom preço. Sou muito feliz por tudo o que construí. O segredo do sucesso é ter determinação, dedicação e amor ao trabalho”, completa Luís.