Botucatu e a Cerveja

Por Leandro Mioni 20/06/2016 - 10:36 hs
Botucatu e a Cerveja
Reprodução

O homem conhece o processo de fermentação desde o período neolítico, a aproximadamente 10.000 anos atrás, a primeira prova arqueológica que faz referência a cerveja vem da Suméria, Frei Fidelis que dizia que nossa região tinha uma ligação direta com a cultura suméria, (a cerveja pode ser uma dessas ligações). Essa cerveja primitiva suméria ficou conhecida como “pão liquido”.

No Egito a cerveja tinha papel fundamental na sociedade, pois servia como pagamento, moeda de troca, alimento, remédio, oferenda para os deuses e era tão valiosa que eram depositadas nos sarcófagos junto com aos faraós, para que pudessem levar e desfrutar da bebida no além vida.

No período que engloba Grécia antiga e Império Romano, a bebida foi deixada de escanteio pelas nobrezas, dando lugar a apreciação do vinho, a cerveja ficou para as classes mais baixas e para as periferias do grande Império Romano, regiões como a Germânia e a Gália, tornaram se grandes apreciadores e produtores exímios de cerveja ( regiões que hoje correspondem a Alemanha e a Bélgica, consideradas hoje duas das quatro principais escolas cervejeiras do mundo) o próprio nome cerveja vem do latim, os romanos  a chamavam de cervesia uma  homenagem a Ceres, deusa da agricultura e da fertilidade.

Os gaule

ses aprimoraram a fabricação na idade média, maltando o grão da cevada, os monges cristãos perceberam que com a adição do lúpulo poderiam conservar dar amargor e um aroma especial ao liquido sagrado.

Na Alemanha, a cerveja, já bem difundida, ganhou uma lei prorpria, a famosa lei de pureza da cerveja de 1516, tinha como obje

tivo a regulamentação da produção da bebida, o Duque da Baviera, Guilherme IV, decreta que a cerveja poderia s

er produzida somente com os seguintes ingredientes; água, malte e lúpulo.

No Brasil a ce

Em Botucatu, lá nos primórdios da cidade, a bebida oficial era a famosa cachaça, a caboclada por aqui tomava mesmo era a pinga. Os europeus que chegavam na cidade sentiam falta da bebida apreciada no velho continente, a cerveja.

rveja chega oficialmente nas bagagens da família real portuguesa, que foge de Napoleão com a ajuda da Inglaterra em direção a colônia sul-americana, com a abertura dos portos as nações amigas, a Inglaterra introduz a cerveja no mercado brasileiro.

Em meados de 1880 1890, o alfaiate italiano Aleixo Varoli, começou a produzir cerveja na cidade em uma chácara na região do Lavapés, lá ele também produzia licores e gasoso (um tipo de bebida efervescente um “refrigerante”), os Varoli´s se espalharam pela cidade dando origem a outras famílias tradicionais em Botucatu, um outro italiano também produziu cerveja por essas bandas foi Felipe de Santis, não temos muitas informações sobre ele.

  O alemão prussiano Dr. Guilherme Von Giesler, o nobre medico, fabricou cerveja no estilo germânico na rua curuzu, personagem importante na cidade, pois foi em sua casa a primeira sede do Clube A DEMOCRACIA, fundado em 1895 foi o primeiro clube em Botucatu, era onde aconteciam bailes familiares e serões, provavelmente apreciado com a sua cerveja.

No início do século xx se instalou na cidade o italiano Petrarcha Bacchi, que institui na cidade um verdadeiro império industrial, e a cerveja não ficou de fora.

A cervejaria Bacchi, produziu desde 1918 os seguintes rótulos; Vencedora, Princeza, Botucatuense, Brasileira, Crystal, Moreninha e a Muenchen. Segundo a imprensa local da época as cervejas Bacchi chegaram a rivalizar com as cervejas da Antártica, exagero ou não o certo é que as cervejas Bacchi marcaram época em Botucatu.

Nos anos 80 a cooperativa belga que situava se na cidade transformou se na cervejaria Belco, a fábrica ficou na cidade de 1983 a 1988 quando se muda para São Manuel.

Hoje quem mantem e aprimora nossa rica tradição cervejeira é a Micro cervejaria Cuesta, criada em 2012, pelo mestre cervejeiro Marcelo Henrique Breda, a Cuesta prima por cervejas artesanais e especiais, com receitas próprias e ganhando vários prêmios com suas cervejas.

Marcelo Breda produz cerveja artesanal desde 2005, e colabora muito com novatos que querem aprender sobre a arte de fazer cerveja, seja através de seu blog, conversas informais e ou visitas a cervejaria Cuesta.

A bebida que correu a história da humanidade, chegou e foi muito bem recebida em Botucatu, aqui fez morada e é por nós muito bem tratada.

 

Fontes: (ACHEGAS PARA A HISTORIA DE BOTUCATU – HERNANI DONATO)

             (NO VELHO BOTUCATU – SEBASTIÃO ALMEIDA PINTO)

             (http://blogdodelmanto.blogspot.com.br/ BLOG DO DELMANTO)

 

             (http://mhbreda.wix.com/cervejariadacuesta) SITE CUESTA MICROCERVEJARIA